Manipanzo

O outro eu

ISBN: 978-989-53737-4-1
Tema:

Descrição

Manipanzo: o outro Eu, de Gonçalo Malato, “…não é suposto ser lindo, é suposto ser único…”

Este é o mote deste Catálogo do artista Gonçalo Malato nas suas obras (pintura e escultura), que ressalta na orgânica das suas peças “Mulheres” e “Manipanzo”, e igualmente nos seus quadros pujantes de cor.

Este Catálogo conta com textos de António Carmona Rodrigues, Carmen Bioque Zurita, Eric Corne, Rita Lougares e Inês e Luís Malato Correia.

 

A sua linguagem própria, engenho e sensibilidade transcendiam o facto de pintar e fazer esculturas, pois manifestavam-se na sua forma de se relacionar com o mundo, caracterizada por um sem-fim de ocorrências e mecanismos inventados para reparar as coisas quebradas. Gonçalo utiliza uma infinidade de truques e manobras de ilusionismo para que possamos ver que “quién sabe volar no necesita zapatos” (Gonçalo Malato).

Carmen Bioque Zurita, curadora da exposição

 

O trabalho de Gonçalo Malato expressa sentimentos e uma energia em bruto. Ele dá liberdade às cores e ao traço, indo ao encontro de toda a pintura gestual do
século XX. Em ambos os lados do Atlântico, as obras, dos Fauves ao Expressionistas, têm sido continuamente
reinventadas, reinterpretadas e reproduzidas no desempenho da pintura.

Em muitas das suas composições abstractas, o movimento do pintor pode ser vislumbrado, a exaltação da pintura em criação e provavelmente enganadora, face ao surgimento da imagem. O que levou Gonçalo Malato a constantemente inventar outros protocolos para as suas criações, tais como a sua série de esculturas cujo material são as suas telas pintadas, cortadas e dilaceradas.

Eric Corne, artista e comissário de exposição

 

Explorou também a pintura 3D nas suas esculturas-pinturas intituladas Manipanzos. Os Manipanzos são esculturas que construía com materiais que encontrava na rua e que revestia com as suas pinturas, desenvolvendo temas tradicionais como o retrato. Estas pinturas 3D, muito diversas, revelam o seu humor
e uma inclinação para o fantástico, testemunhando uma procura íntima pelo sentido da vida humana.

Rita Lougares, directora e conservadora do Museu Coleção Berardo

 

 

Informação adicional

Capa

Dimensões

210 x 270mm

Idioma

Páginas

104